Influences of Italian Immigrants in the Formation of São Paulo’s Cultural Identity

Article written by Guilherme Ursini, in English and Portuguese.

Edifício Martinelli, São Paulo, Brazil – Photo by Wilson da Silva Vitorino

Influences of Italian Immigrants in the Formation of São Paulo’s Cultural Identity

I don’t believe in the existence of a common Brazilian identity. Formation of national identities are, per se, already a very complex topic, so I will try to break the Brazilian case down in a simplified manner. Brazil has a different de-colonisation process from its neighbours, on which a continuation of a monarchical ruling of the country took place – the only difference was that it was now independent from Lisbon. Therefore, the absolute ruling of local elites was maintained with little to none structural changes. As it was the case in other large former European colonies in America (as in the USA, for example), different regions of Brazil were therefore developed reflecting the own characteristics of its local elites. Those, by its turn, have each developed their characteristics of governance in accordance to their regional roles in the colonial days. This has left a massive absence of common national characteristics, and an overall lack of a ‘Brazilian identity’. In my view, not only there are very limited commonalities between regional identities, which vary sharply across the country.  

As it was the case of other former colonies, local identities in Brazil were heavily shaped by groups of immigrants.

Here, I will try to describe the case of the State of São Paulo, which, due to its own immigrants and due to its central role in the establishment of a Brazilian state and economy, developed its own identity (Paulista), which is far stronger than the ‘national’ one. In São Paulo, the main groups of immigrants came from Italy, Lebanon and Japan – mostly, between the end of 19th and beginning of 20th centuries. My example here will be how the massive Italian migration has deeply impacted the development of a unique cultural identity in São Paulo. 

Italians began arriving in São Paulo exactly at the port of my city, Santos, from the 1880s onwards. Although numbers vary according to different research sources, it is agreed that, until the 1920s, already 1,000,000 had already migrated to all State of São Paulo. In fact, support for immigration, from the Brazilian elite’s side, was a strategy of substitution for the recently abolished slavery. A vast majority of the Italian immigrants, upon arrival, were moved to a young São Paulo City, only to be quickly ‘re-distributed’ to the countryside, to work at the coffee plantation farms. Therefore, many of the massive Italian community, after realising that the promises of better life standards in Brazil was purely fake, facing terrible work conditions and basically no wealth, migrated to urban poles, such as the rapidly expanding São Paulo City (the State’s capital). 

This city had only 32,000 inhabitants in 1880, in comparison to the over 20,000,000 of nowadays. The massive Italian migration to urban centres has played a key role in the economic, but especially cultural aspects of the development of the Paulista identity.

Nowadays, it is estimated that, in present days, about 35% of the over 40,000,000 inhabitants of São Paulo have Italian roots. Many of those might even be unaware of this fact, which exposes how present Italian culture is in the State: cultural influences are not only completely assimilated, but they were part of the state’s formation. A few ‘interesting facts’ follow for the sake of contextualisation. It is more than common to find names of public places, sport teams, entire neighbourhoods, among many other examples, were named by its Italian founders or named after them. For instance, two of the most influential football teams of São Paulo City are known for ‘representing’ Italy: Palmeiras (initially “Palestra Itália”) and Juventus (named after Juventus from Torino). Certain cities, as an acknowledgement of the importance of Italian influence in their cultural formation, recently introduced mandatory Italian classes as part of the school grade, in parallel to English. Finally, (in Brazil as a whole) there is a “National Day for the Italian Immigrant”, being the only community of immigrants to receive such a ‘national’ day.

In certain cases, Italian cultural influence is comparable to the own Portuguese cultural influences, and here, we are talking about over three centuries of colonisation. 

Therefore, without a doubt, São Paulo City is the place where Italian influence can mostly be seen (arguably in the entire country). Descendants of Italians are stimulated to sum up to 6 million inhabitants of the city. Italians have arrived there to work in the growing industry business, of which many became influential, ‘raising up’ in the until then very closed circle of Brazilian elites.  Many of the city’s most traditional neighbourhoods were founded or predominantly inhabited by Italian migrants, many of whom set traditions which are still lively until nowadays. Among the most famous of those neighbourhoods, Mooca and Bixiga. Especially in those, as in many other neighbourhoods, it is normal to find, in any block, its typical “cantinas”, where the ambience resembles any normal restaurant from any given region in Italy. Usually, its owners are persons who, in most of cases, strictly stick to all culinary traditions, passing it over to the next family generation. Neighbourhood community fests are also very common all over the State, the most famous one being the huge “Festa de San Gennaro”, at Mooca. 

Brazil is a country with an extremely weak national identity. Social inequality is so large, that it overcomes any sort of potential national feelings. Social classes still dictate the main ‘sources’ for identities.

About those, I personally never had associated them to those in Italy, it was always just a neighbourhood party, part of normality of our lives. It was only when I experienced some commune traditional parties in Italy is that I realised how they were all directly re-created in São Paulo by the immigrants. It is impressive how some traditions are kept and passed over generations.  Aspects of Italian cultures have thus largely influenced in the formation of the local identity of the State. Yet, exactly the same as in other regions of the country – especially in Southern Brazil. This region, tough with predominantly German, Pole and Slovak communities, also had strong Italian influences. There, for instance, Giuseppe Garibaldi, after leaving Italy, joined fights for the independence of the Rio Grande do Sul and Santa Catarina States. Likewise, three years earlier, São Paulo, together with Rio Grande do Sul, fought in the Revolution of 1932 against the (minimally) authoritarian coup d’état by Getúlio Vargas.

These events, of course, involved many factors bigger than influences of immigration, and which are not directly connected to the discussion of this article. However, large waves of immigration had a heavy impact in the process of formation of regional perceptions about the construction of Brazil. That contrasts, to a high degree, with than the national idea planned by the governments in Rio de Janeiro. In these states, its formation provided for a stronger state than national identity.

Of course, Italian culture by itself is not the single vector for the formation of São Paulo’s identity. I can add to the ‘list’ at least several other communities, especially, Japanese, Lebanese immigrants and Northern Brazilian migrants (not taking the Portuguese into account). Moreover, the particular faster economic development of the State, putting it by far as the economic centre of the country, has also been a heavy influencer in the formation of this identity.

However, Italians, being by far the largest immigrant population and directly influencing in this very socio-economic formation of the State, have equally played a key role (and still do) to what São Paulo is today. 

Brazil is a country with an extremely weak national identity. Social inequality is so large, that it overcomes any sort of potential national feelings. Social classes still dictate the main ‘sources’ for identities. Unfortunately, São Paulo, despite being an economic power, still does not escape from this rule: that is undeniable. Social differences are massive, and I doubt that someone belonging to the ‘lower’ societal classes there would feel more Paulista or Brazilian. This is just too much of a far-reaching discussion, not present in the local realities. Nevertheless, the cultural influences at this specific state, as well as in the mentioned Southern States, provide indeed a differentiation to the rest of the country.

Italian (and other immigrants) presence is loud and clear in the State of São Paulo, and, by strongly contributing to the creation of this unique Paulista identity, provided exactly for the sharp de-attachment of the State identity from the identity related to rest of the country. This process has, of course, both its positive and negative effects to the Brazilian identity crisis. However, simply ignoring the existence of crucial cultural differences between its states, as it is the usual policy from Brasília, does not help to the country’s constant political crises. Especially not when concerning its most populous state and wealthy state. 

Influências de imigrantes italianos na formação da Identidade cultural paulista

Eu não acredito na existência de uma única identidade brasileira. Formação de identidades nacionais é, por si próprio, já um tópico complexo e delicado -, portanto, vou tentar descrever o caso brasileiro em uma maneira simplificada. O Brasil teve um processo de descolonização diferente de seus vizinhos, no qual houve uma continuação de um poder monárquico no país, com a única diferença sendo a libertação do poder colonial de Lisboa. Por consequência, o que ocorreu foi uma continuação do controle das elites, sem qualquer mudança substancial nas estruturas de poder. Assim como em outras colônias europeias na América (como nos EUA, por exemplo), diferentes regiões do brasileiras se desenvolveram refletindo as características da governança de suas próprias elites locais, as quais, por consequência, se desenvolveram de acordo com seus papeis regionais nos tempos coloniais. O resultado foi uma grandíssima ausência de um sentimento nacional comum, e, em general, a inexistência (ou fraqueza) de uma ‘identidade brasileira’. Na minha opinião, as identidades das regiões brasileiras têm muito pouco em comum, e estas variam bruscamente em todo o país. Assim como foi o caso de outras antigas colônias, identidades regionais, no Brasil, foram extremamente influenciadas por determinados grupos de imigrantes.

Neste texto, irei descrever um destes casos no estado de São Paulo, cujo, por influências de altos números de imigração e também por seu papel central na formação do Estado brasileiro e de sua respectiva economia, desenvolveu sua própria identidade, que acaba por ser bem mais forte do que a identidade nacional. Em São Paulo, os principais grupos de imigrantes vieram da Itália, Líbano e Japão – a maioria, em grupos que vieram entre o fim do século XIX e começo do século XX. Meu exemplo aqui será em como a grande imigração de italianos a São Paulo impactou profundamente no desenvolvimento da única identidade cultural Paulista. 

Os italianos começaram a chegar em São Paulo exatamente no porto de minha cidade, Santos, a partir da década de 1880. Apesar dos números variarem de acordo com fontes diferentes, em geral, estas concordam em um número de cerca de 1.000.000 de italianos já no estado de SP, ainda na década de 1920. Na verdade, as elites do Brasil incentivavam e facilitavam a imigração como uma estratégia para substituir a escravidão, que era recentemente abolida. A grande maioria dos italianos, ao chegar em solo paulista, eram transferidos para uma ainda jovem capital paulista, para logo após serem ‘redistribuídos’ para as fazendas de café no interior do Estado. Após perceberem que a promessa de uma vida melhor era uma farsa, e que as condições de vida das plantações de café eram deploráveis, sem quaisquer direitos trabalhistas ou oportunidades de prosperar, começaram-se a migrar para a capital, (cidade de São Paulo). 

O Brasil é um país com uma identidade nacional extremamente fraca. A desigualdade social é tão profunda, que isto se sobrepõe a qualquer tipo de sentimento nacional. Classes sociais ainda ditam as origens de identidades.

A capital estava neste momento em grande e rápida expansão, começando seu crescimento de apenas 32.000 habitantes em 1880; algo que se contrasta drasticamente com os mais de 20 milhões de hoje em dia, contando sua zona metropolitana. A grande (i)migração a este principalmente, mas também a outros, centros urbanos teve um papel chave no desenvolvimento econômico do estado, mas também, e principalmente, no desenvolvimento da identidade cultural dos Paulistas. 

Hoje em dia, estima-se que, cerca de 35% da população de mais de 40 milhões de habitantes do estado de São Paulo têm raízes italianas. Muitos, após várias gerações, não sabem sobre este fato, o que na verdade serve para ilustrar o quão presente a cultura italiana é no estado de SP: estas influências não apenas estão completamente assimiladas, mas como fizeram parte da formação do estado. Seguem-se aqui algumas informações interessantes para ilustrar este impacto. É mais do que comum encontrar nomes de espaços públicos (ruas, praças, etc), equipes esportivas, ou mesmo vizinhanças, cujos nomes foram dados por italianos ou em tributo a italianos. For exemplo, dois das mais tradicionais equipes de futebol da cidade de São Paulo são formados por italianos, ainda associados a uma ‘representação’ da Itália: Palmeiras (antigo Palestra Itália) e Juventus (nomeada em tributo à Juventus italiana). Algumas cidades, como reconhecimento da importância da influência italiana em suas formações culturais, recentemente até introduziram o ensino mandatório da língua italiana na grade de estudos escolares, em paralelo ao inglês. Finalmente, em todo o território brasileiro, há o Dia do Imigrante Italiano, sendo estes os únicos a terem um dia específico em homenagem a sua nacionalidade. 

Portanto, em certos casos, a influência cultural italiana é comparável à dos portugueses – exceto de que, no caso destes, falamos sobre uma herança de três séculos de colonização. 

Por estas razões, sem dúvidas, a Cidade de São Paulo é o lugar, em todo o estado, onde a influência italiana é mais notável (e possivelmente em todo o país). É estimado que descendentes de italianos somam por volta de 6 milhões de habitantes da cidade. Os italianos chegaram lá, em sua maioria, para trabalhar nas indústrias, que estavam em rápido desenvolvimento. Nestas, muitos italianos rapidamente criaram seus espaços, muitos ganhando acesso ao restrito ciclo de elites brasileiras. Na capital, muitas de seus bairros tradicionais foram fundadas ou predominantemente habitadas por imigrantes italianos, muitos destes que iniciaram tradições que ainda vivem, ativamente, até os dias de hoje. Entre os mais famosos bairros, estão a Mooca e a Bixiga. Especialmente nestas, é normal encontrar, em qualquer quarteirão, suas típicas “cantinas”, as quais seus ambientes internos lembrar qualquer restaurante em qualquer região italiana, e seus proprietários normalmente levam a sério suas tradições culinárias, passando-as assim às próximas gerações familiares. Festas típicas também são celebradas nestes bairros, assim como por todo o estado. É o caso da mais famosa destas, a Festa de San Gennaro, na Mooca. 

Sobre estas, eu pessoalmente nunca as havia associado com festas na Itália. Para mim, eram parte da normalidade dos bairros. Somente quando eu experienciei as festas de commune Aspectos da cultura italiana, portanto, tiveram ampla influência na formação da identidade local do estado de SP. Da mesma maneira, exatamente o mesmo ocorreu em outros estados brasileiros, principalmente na região Sul. Esta, apesar de ser majoritariamente alemã, polonesa e eslovaca, têm também grande influência italiana. Ali, por exemplo, Giuseppe Garibaldi, após exilar-se da Itália, se juntou a forças independentistas dos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Da mesma maneira, três anos antes, São Paulo, em aliança com o Rio Grande do Sul, lutou contra o (ao menos) autoritário golpe de estado de Getúlio Vargas. 

Estes eventos, claro, aconteceram por muitos outros fatores, entre os quais, imigração não pode ser considerado entre os mais diretamente influenciáveis. Porém, o papel da imigração serve aqui ao propósito de demonstrar os impactos que os grandes números imigratórios tiveram no processo de formação de percepções regionais sobre a construção do Brasil. Este, por sua vez, é uma grande diferença da ideia de construção de uma identidade nacional, defendida por sucessivos governos no Rio de Janeiro. Em SP e RS, suas particulares formações regionais são mais fortes do que uma identidade nacional. 

Claro, a cultura italiana, por si própria, não é um fator único na formação da identidade cultural paulista. Podemos adicionar a esta ‘lista’ ao menos outras comunidades, especialmente, as japonesas, libanesas e migrantes da região nordeste (sem levar em conta os portugueses). Além desses, deve-se levar em conta o rápido desenvolvimento econômico do estado, que também fortemente impactou na formação da identidade paulista. Entretanto, os italianos, sendo a maior população imigrante e contribuindo diretamente na formação socioeconômica do estado, tiveram igualmente um importante papel para o que São Paulo é hoje. 

O Brasil é um país com uma identidade nacional extremamente fraca. A desigualdade social é tão profunda, que isto se sobrepõe a qualquer tipo de sentimento nacional. Classes sociais ainda ditam as origens de identidades. Infelizmente, São Paulo também não escapa desta regra, isto é inegável. As diferenças sociais em nosso estado também são abruptas, e eu duvido que um indivíduo desprivilegiado se sentiria mais Paulista ou Brasileiro. Estas são discussões muito profundas, que não chegam às realidades locais. Entretanto, certas influências culturais em São Paulo, assim como nos estados Sulistas, mostram uma diferenciação destes em comparação com outros casos no país. 

A presença italiana (assim como de outros grupos de imigrantes) é clara no estado de São Paulo, e, com sua forte contribuição para a criação da identidade paulista, também contribuiu para a clara diferenciação entre a identidade estadual e a identidade nacional. Este processo tem, claro, ambos seus lados positivos e negativos para a crise de identidade do Brasil. Mas, simplesmente ignorar a existência de críticas diferenças culturas entre alguns de seus estados, assim como governos de Brasília tendem a fazer, não ajudará em nada com as constantes crises políticas do país. Isso aplica-se especialmente quando se fala sobre seu estado que é sua maior potência econômica e sua maior população.  

Published by LA REGIONISTO

La Regionisto focuses on regional economic, political or cultural issues. Its aim is to enable everyone to deepen their curiosity for various regions of Europe and beyond, in a classic or fun way. We welcome articles written in any language and from any approach!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: